terça-feira, 10 de outubro de 2017

Mariana

Era mês de águas que fecham o verão
O tempo era sem sentido
Tu chegaste como um sol no meu coração
Antes era tudo vazio

Tu que tiraste a venda dos meus olhos
e tudo se clareou
Tudo começou como a singeleza dos orvalhos
e meu mundo se iluminou

Amor assim, profundo, nunca antes sentira
Minha felicidade é teu olhar sorrindo ao amanhecer
Teu doce cheiro me inebria
O sentimento que emanas me faz crescer

Cheia de graça, minha vida, meu amor
O tempo agora é paz e felicidade
E se desfez toda dor
Agora sim, é para sempre, liberdade, é amor. é verdade.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

"A força que nunca seca"

Este texto é  para uma irmã. Para minha doce e serena que me apresentou a arte como possibilidade de cura. 

A senhora com a lata na cabeça, equilibrando de todo jeito a lata, a lata que não mostra o corpo entortar. Essa água que vai na lata é vida. é vida em movimento. A senhora que luta pela vida, que carrega em si todas as forças de quem tem um motivo para continuar levando a lata. 
A lata, metáfora que não se reduz. Só se transcendermos no tempo e no espaço da vida. 
Muitas vezes o corpo entortou, a força ameaçou acabar, mas ela estava lá, porque a senhora nunca anda sozinha, não dá. 
As forças então se renovam com a doce voz dos Anjos, sim ela é dos Anjos. 
Estava como a senhora tentando equilibrar a lata, por muitas vezes parecia que toda a água iria cair, mas lá estava ela, mostrando um jeito de equilibrar.
Lá estava ela, mostrando que a lata é mais do que isso tudo aqui que vivemos, porque tem algo mais. Dando sentido, ensinando a costurar as bordas da lata que às vezes parecia estar vazia. 
Para você|, que tem sido um anjo em minha vida, que traz os anjos no nome e a doçura no coração. Para você que me mostrou a melhor versão cantada desta música maravilhosa, para você Lay, que não deixou a água acabar, nem a lata cair. Saiba que a lata não se reduz, e a senhora vai continuar carregando-a por muitas e muitas existências. 
Gratidão por existir
Gratidão pela arte
Gratidão por andar junto com a senhora e compartilhar da sua água, juntas conseguimos carregar a lata. 
te amo, mana

sábado, 18 de junho de 2016

É frio

É frio
já não sinto os dedos dos pés
já não sinto os nervos das unhas
mas sinto o coração dilacerar
Vontade de são João

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Velha roupa colorida - Belchior

Você não sente nem vê
Mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo
Que uma nova mudança em breve vai acontecer
E o que há algum tempo era jovem novo
Hoje é antigo, e precisamos todos rejuvenescer
Nunca mais meu pai falou: "She's leaving home"
E meteu o pé na estrada, "Like a Rolling Stone..."
Nunca mais eu convidei minha menina
Para correr no meu carro...(loucura, chiclete e som)
Nunca mais você saiu a rua em grupo reunido
O dedo em V, cabelo ao vento, amor e flor, quero cartaz
No presente a mente, o corpo é diferente
E o passado é uma roupa que não nos serve mais
No presente a mente, o corpo é diferente
E o passado é uma roupa que não nos serve mais
Como Poe, poeta louco americano,
Eu pergunto ao passarinho: "Black bird, o que se faz?"
Haven never haven never haven
Black bird me responde
Tudo já ficou atras
Haven never haven never haven
Assum-preto me responde
O passado nunca mais
Você não sente não vê
Mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo
Que uma nova mudança em breve vai acontecer
O que há algum tempo era jovem novo,
Hoje é antigo
E precisamos todos rejuvenescer (bis)
E precisamos rejuvenescer

quinta-feira, 29 de maio de 2014

"A tinta de Pintar Tristeza.." (Chico César)

Quando a arte fala, a morte falha
Algo do fim se perde em cada letra, quadro e verso
o vazio se preenche por alguns instantes
é verdade que restam furos do existir
Esses, são os mais profundos portões dos porões sem sentido que a vida tem
Eles não podem ser preenchidos mas, coloridos e suas bordas, costuradas...
é em nome do vazio que a arte fala, em busca de um sentido de um caminho..
é em nome da morte que a vida se faz presente
e ainda quando a morte fala a arte sobrevive..

domingo, 18 de maio de 2014

Existir....Para que? para quem?

Para aprender
para aprender a amar
amar a quem?
quem não se pode amar?
amar quem não quer amor.. talvez.
são tantos porquês.
existir, persistir, resistir.
dói, dilacera, existir tem sido uma guerra diária entre o Eu e o Não-Eu.
se é que existe um Não eu. Tantos eus num só fôlego de vida, tanta lida, tanta dor.
falta ar, falta paz, falta tudo que satisfaz, falta o Eu que só existe com você. O Eu que só se reconhece em seu olhar. Falta você.
Existir sem você...sobreviver.
caminhar, passar, não desistir.
E quando já não houver o que aprender, partir..
assim mesmo, no vazio, no pequeno instante da flor, em que as pétalas caem.
mistérios.